One7 anuncia nova sede em Tatuí

One7 anuncia nova sede em Tatuí

Fonte: Jornal O Progresso de Tatuí (Coluna de Jorge Rizek)

One7, empresa especializada em soluções inteligentes em recebíveis, inaugurou oficialmente a nova sede em Tatuí no dia 01 de julho de 2019, às 07h17 – data e horário escolhidos por analogia à marca.

O espaço, que fica no Edifício Tino Fiuza e conta 800m², foi desenhado com base no conceito Activity Based Working (ABW), metodologia que consiste na forma de organização do trabalho baseado nas atividades. Como resultado, o conceito open space também foi aplicado na nova sede que se mescla com os diversos ambientes que poderão ser utilizados por todos os funcionários, que são as sete salas de reuniões, salas de conferência, estações de trabalho flexíveis, meetings points – áreas abertas para pequenas reuniões -, espaço para eventos, refeitório, e lounge. O projeto foi assinado pelo escritório AKMX Arquitetura Engenharia e foi inspirado nos sete valores da empresa, que são: orientação para o resultado, empreendedorismo, comprometimento, espírito de equipe, abertura e respeito à diversidade, sinceridade e reconhecimento.

Fundada em 2018, em Tatuí, interior de SP, pelos empresários Everaldo Moreira e João Paulo Fiuza, a One7 oferece soluções em recebíveis por meio do Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), que atualmente conta com patrimônio líquido de R$ 167 milhões*. O FIDC é composto por investidores institucionais que aplicam recursos em títulos de créditos formados por contas a receber de uma empresa.

A companhia conta atualmente com cerca de 750 clientes ativos e o perfil do tomador de crédito é a pequena e média indústria com faturamento entre R$ 6 milhões e R$ 120 milhões por ano de setores como metalúrgico, papel e embalagens, transporte e logística, distribuidoras, automotivo, têxtil, entre outros. Entre os serviços ofertados, o carro-chefe é o Adiantamento de Recebíveis. As empresas cedem o direito creditório à One7 do que têm a receber por meio de duplicatas, contratos, vendas a prazo ou cheques, e, após um processo de avaliação de risco, recebem o valor em um curto período e com taxas atrativas. 

*Dado referente a maio de 2019, segundo a Comissão de Valores Mobiliários.

 

Para acessar o artigo na mídia original, clique aqui